Setembro Amarelo e a importância de cuidar da saúde mental


Setembro Amarelo e a importância de cuidar da saúde mental

A discussão motivada pelo Setembro Amarelo foi crescendo no Brasil e hoje é uma oportunidade de falar da importância de cuidar da saúde mental de forma mais abrangente.


Começou pequeno, lá em 2015, em apenas uma cidade (Brasília) e por iniciativa de 3 instituições em parceria (Centro de Valorização da Vida – CVV, Conselho Federal de Medicina – CFM e Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP), o movimento que visava aproveitar o mês que já é escolhido mundialmente para dar visibilidade à prevenção ao suicídio para ampliar o conhecimento sobre o tema no Brasil. Mas, a internet… ah, a internet!

Sempre soubemos do potencial enorme que as redes sociais e a internet têm de potencializar iniciativas e a integração entre as pessoas de forma a aproximá-las e dar bons frutos a partir desse contato e conhecimento facilitados. 

Pois bem! O movimento ao redor do Setembro Amarelo foi crescendo no Brasil e atualmente tem um alcance de proporções inimagináveis em todo o país. 



👉 É preciso falar sobre depressão!


A ideia inicial era tratar da ponta do iceberg: o suicídio e formas de prevení-lo (o que é urgente, já que essa é a causa que mais mata jovens entre 15 e 29 anos no Brasil e que mata uma pessoa a cada 40 segundos no mundo). Mas, foi crescendo a discussão ao redor do assunto e hoje é uma oportunidade de falar da importância de cuidar da saúde mental de forma mais abrangente.

Mas, é claro, nem tudo o que as redes trazem é o melhor possível. Muita desinformação também foi gerada. Às vezes até com boas intenções. 

A ocasião fez com que muita gente, por exemplo, passasse a se disponibilizar para dar apoio à pessoas que identifiquem necessidade de procurar ajuda sobre a sua saúde mental, o que, de alguma forma, desvia o caminho ideal, que é sempre procurar ajuda profissional capacitada, como a de um Psicanalista.


E se tem um ano que trouxe à tona o assunto saúde mental, foi o de  2020. 


Claro que não é culpa do ano em si e nem das singularidades que ele teve. Nesse mundo VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo), em que surgem novidades o tempo todo, coisas que acontecem do outro lado do mundo podem afetar as nossas vidas aqui enormemente.

Quase nenhuma condição de vida pode ser tida como garantida ou imutável e somos expostos a níveis cada vez maiores de informação para dar conta. Mais cedo ou mais tarde, vamos percebendo que cuidar da nossa saúde mental é uma questão primordial para a qualidade de vida e para o quadro geral de saúde do indivíduo em si. 


👉 15 razões para você fazer Psicoterapia e mudar a sua vida


Isso é apenas o começo da conversa, mas a lista não tem fim: o contexto evidencia cada vez mais as relações superficiais e líquidas, o nosso dinheiro valoriza e desvaloriza em questões de segundos, redes sociais e apps nos trazem sempre um novo questionamento sobre o papel da internet nas nossas vidas e nas nossas mentes… Tudo está em constante transformação.

E então, não mais que de repente, nos vimos isolados como medida de segurança coletiva, bombardeados de notícias sobre uma pandemia global com consequências aterradoras e milhões de vidas perdidas, empregos e meios de sustento ainda mais incertos que antes, impedidos de estar com aqueles que amamos, de fazer aquilo que nos dava prazer e equilíbrio ou mesmo de realizar tarefas básicas para as quais é necessário o contato humano e a vida em sociedade, sem prazo definido para voltar a poder existir no formato que julgávamos “normal”. 


Para quem ainda não estava falando disso, saúde mental virou o assunto do momento. E para quem já tinha uma rotina de cuidados também. Afinal, a mudança nas nossas vidas tirou tudo do eixo. 


A questão deixou de ser entendida como supérflua e entrou no campo das necessidades básicas. Até porque todo esse contexto faz com que doenças como depressão e ansiedade estejam crescentes e com tendência de aumentarem ainda mais.

É evidente que a demanda por todo tipo de profissional de saúde aumentou nesse período, mas a busca por Psicólogos e Psicanalistas tem uma relevância especial. 

Pessoas de todas as classes sociais têm percebido a necessidade de acompanhamento, ainda que não haja nenhum sintoma que indique uma patologia de ordem psicológica. 


👉 Pós UNISUAM oferta primeira disciplina em Psicologia Positiva e Felicidade no Trabalho


Até mesmo empresas estão cada vez mais buscando formas de dar suporte psicológico aos seus colaboradores durante esse momento, entendendo que isso é importante para a performance profissional dos indivíduos, mas que, também, entendê-los de forma ampliada traz benefícios para todos.

E o profissional de saúde mental, nesse cenário alterado e de alta demanda, deve buscar capacitação para tratar das questões recentes aplicadas a este cenário, sem perder o link com a teoria e a base clínica, independente de sua área de atuação. 

A Pós-Graduação da UNISUAM em Psicanálise na Contemporaneidade abarca tudo isso, preparando profissionais para diversos nichos do mercado.

Esse é o momento do profissional de Psicanálise potencializar a sua atuação no mercado e ajudar mais pessoas a viverem melhor. 


E aí, está pronto para fazer a diferença na vida das pessoas? Conheça a Pós em Psicanálise na Contemporaneidade UNISUAM!





Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nenhum comentário